Projeto Sementes do Semi Árido

     

 Casas de Sementes visam resgatar e preservar as sementes crioulas garantindo soberania alimentar para os agricultores/as

 O Centro Terra Viva já capacitou cerca de 520 famílias que vão compor as 26 casas de sementes na região do Médio Oeste, no Rio Grande do Norte. As capacitações fazem parte do Programa de Manejo da Agrobiodiversidade – Sementes do Semiárido, que visa propiciar o acesso descentralizado das famílias do meio rural às sementes, através do resgate, da preservação, da multiplicação, do estoque e da distribuição de sementes crioulas, adaptadas a região. O Programa é uma Parceria da Articulação Semiárido Brasileiro com o Governo Federal, através do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS) e do BNDES.

De acordo com o coordenador do projeto, Francisco Gildeone Ferreira de Araújo, os membros de cada casa de sementes receberam cerca de duas capacitações que envolvem o processo de gestão e multiplicação das sementes, sendo elas: Capacitação em Caracterização em Gestão Comunitária da Diversidade de Sementes e a segunda Capacitação em Gestão de Estoque nos Bancos Comunitários de Sementes.

Ainda de acordo com o coordenador do projeto, as famílias tiveram a oportunidade de observar na prática o funcionamento de um banco de sementes comunitário através de intercâmbios intermunicipais realizados em Apodi, Caraúbas, Umarizal e um interestadual em Soledade/PB.

A Capacitação Territorial Sobre Seleção, Produção e Multiplicação de Sementes também faz parte das atividades do projeto e deve acontecer entre os dias 17 e 18 de março de 2016. “Durante essa capacitação os agricultores vão poder fazer o teste de transgenia nas sementes de Milho para saber se são realmente crioulas, além do teste de umidade das sementes e de seleção dos grãos”, afirmou Gildeone.

No projeto serão construídas e estruturadas 16 casas de sementes e outras 10 vão receber apenas apoio com equipamentos de estruturação como balança mecânica, estantes, bombas plásticas, peneiras, lona impermeável, entre outros. “Cada casa recebe ainda um apoio para a aquisição de sementes para a formação do primeiro estoque, através do resgate das variedades genéticas de cada região”, conta.

O publico a que se destina; são os beneficiários do programa bolsa família do Governo Federal, beneficiários inscritos no Cadastro Único, famílias chefiadas por mulheres e agricultores e agricultoras familiares, guardiões e guardiãs das sementes. Na região do Médio Oeste os municípios contemplados são: Apodi, Severiano Melo, Caraúbas, Campo Grande, Messias Targino, Olho D’água dos Borges, Janduís, Upanema e Umarizal.

A expectativa do coordenador para o projeto é de que os agricultores e agricultoras possam ter autonomia e liberdade para plantar independentemente da distribuição de grãos dos governos. Ainda de acordo com ele “é importante resgatar as variedades genéticas de cada região, trazendo a experiência que os agricultores (as) receberam dos seus ancestrais, melhorando a produção, a qualidade, dando autonomia e garantindo a soberania alimentar das famílias”, finalizou.